HOMEM NÃO É TUDO IGUAL

April 8, 2019

De modo geral, eles são bastante parecidos. Mas existem aqueles poucos que se destacam – para o bem ou para o mal. Porém, nenhum deles, nem de longe, se parece com o meu preferido no mundo, sir Paul McCartney. Anteontem vi ele pessoalmente de novo, pela terceira vez, em seu show em Curitiba, e novamente fiquei chocada com a sua graça e simpatia. Não existe palavra melhor que “fofo” para descrevê-lo. E juro para ti, nunca sequer passou pela minha cabeça descrever qualquer outro com esse adjetivo – fora um bebê.

 

Paul é fofo porque faz gracinha, é engraçado, porque se esforça para falar com a plateia em português. Ele aprende antecipadamente e leva as frases em português escritas para ler durante o show, com aquele sotaque super fofo. Ele faz o show mais longo do qual já tive notícia: três horas de espetáculo! Aos 76 anos de idade, ele arruma energia para performar durante todo esse tempo, porque valoriza seus fãs. Inclusive, como os brasileiros estão entre seus favoritos, ele faz questão de voltar ao nosso país toda vez que entra em turnê. Tem coisa mais fofa?

 

Sábado pude ouvir não só ele cantar e tocar no baixo, no violão, na guitarra, no piano, no teclado, no ukulelê e etc, as suas canções e as dos Beatles, mas também dizer em português que “essa é uma música nova”, que “essa música escrevi para minha esposa – ela está aqui hoje”, que ele tem “a melhor banda do mundo”, e que “tamo junto”, tá “suave na nave”, “só as gurias”, “até a próxima”... A maioria se contentaria com um “boa noite” e um “obrigado” – e olha lá! Não Mr. Paul – ele é fofo demais pra tão pouco.

 

Não basta todo esse carinho e dedicação a seus fãs durante o show, ele ainda faz stories no instagram agradecendo a recepção curitibana. Sem contar a homenagem prestada a seus colegas de Beatles – a emocionante canção composta para John Lennon entre elas – e a menção aos direitos humanos. Além disso, teve panfleto distribuído na entrada do estádio sobre a “Segunda sem Carne” – um movimento que ele defende para diminuir o desmatamento, o consumo de água e a emissão de gases na atmosfera.

 

Mas não para por ai. Quem é fã dele e dos Beatles conhece as letras de suas composições – uma mais fofa que a outra. Suas canções, de modo geral, passam uma mensagem de amor, de otimismo, bons sentimentos... Tem como não se emocionar ao ouvir “Let it Be” (“deixa estar” – tudo vai dar certo), ou “Hey Jude” (“Ei, Jude, não tenha medo / Você foi feito para sair e conquistá-la / No minuto que você a deixar sob da sua pele / Então você começará a ficar melhor / E sempre que você sentir a dor / Ei, Jude, contenha-se / Não carregue o mundo em seus ombros”)? O mundo precisa de mais conselhos como esses.

 

Paul não é um ídolo só pela sua música, mas por toda a mensagem que ele passa. Por todo o carinho que demonstra. Por defender causas humanitárias e ambientais. Por ser romântico (durante o show ofereceu a performance da música “My Valentine” à sua esposa que estava ali presente – e para quem a compôs). Por valorizar seus antigos companheiros de banda, e os atuais – afinal ninguém toca sozinho. Por ser grato aos seus fãs e se esforçar para agradá-los – afinal ninguém faz sucesso sem público. Por essas e outras ele é muito diferente de todos os outros.

 

O mundo precisa de mais gente assim: que transmita bons sentimentos. Que fale de esperança, de amor, de amizade, de otimismo. Que trate os outros com consideração e carinho. Que defenda causas importantes. Que seja compreensivo em sua fala – e em suas relações. Que incentive e apoie as outras pessoas. Que as trate com respeito e seja grato e humilde. Que seja um pouco mais fofo, um pouco mais como o Paul.

 

Chega de ofender e criticar. De letras que depreciam outras pessoas. Que defendam maus comportamentos. Chega de pessoas prepotentes e arrogantes. Se você quer incentivar e apoiar, use palavras de incentivo e apoio. Se você usar em seu discurso palavras duras e frias, você só irá ferir e causar dor. Seja compreensivo – não ajuda ninguém você achar que é o dono da verdade. Seja um pouco mais como o Paul – eu com certeza tentarei. Por um mundo com mais gente compreensiva, amorosa e fofa – por mais gente boa; até porquê “no final, o amor que você recebe/ é equivalente ao amor que você dá”*. E que assim seja.

 

*Trecho da música “The End”, composição de Paul Mccartney e John Lennon.

 

 

Men are not all the same

 

In general, they are quite similar. But there are those few who stand out - for good or for bad. But none of them, not even far, resemble my favorite in the world, Sir Paul McCartney. The day before yesterday I saw him in person again, for the third time, at his show in Curitiba, and again I was shocked by his grace and sympathy. There is no word better than "cute" to describe him. And I swear to you, it never even crossed my mind to describe anyone else with that adjective – unless a baby.

 

Paul is cute because he makes funny, he's amusing, because he struggles to speak to the audience in Portuguese. He learns in advance and takes the sentences written in Portuguese to read during the show, with that super cute accent. He does the longest concert I've ever heard of: three hours of show! At the age of 76, he arranges energy to perform during all that time, because he values his fans. And because Brazilians are among his favorites, he finds a way to return to our country every time he goes on tour. Is there something cuter?

 

Saturday I had the chance to hear not only he singing and playing in bass, guitar, electric guitar, piano, keyboard, ukulele and etc, his songs and those of the Beatles, but also say in Portuguese that "this is a new song" , that "this song I wrote for my wife - she is here today", that he has "the best band in the world", and that "we are together", is "all good in the hood", "just the girls", "until next time"... Most would be content with a" good evening" and a "thank you "-or not even that! Not Mr. Paul - he's too cute for so little.

 

If it wasn´t enough all this affection and dedication to his fans during the show, he still makes stories on instagram thanking the reception of Curitiba. Not to mention the homage given to his Beatles colleagues - the exhilarating song composed for John Lennon among them - and the mention of human rights. In addition, pamphlets were distributed at the stadium entrance about "Meat free Monday" - a movement he advocates to reduce deforestation, water consumption and the emission of gases into the atmosphere.

 

But it does not stop there. Who is a fan of him and the Beatles knows the lyrics of his compositions - one cuter than the other. His songs, in general, pass on a message of love, optimism, good feelings... Is there a way of listening and not being moved by "Let it Be" (everything is going to be fine), or "Hey Jude" (Hey Jude, don't be afraid / You were made to go out and get her / The minute you let her under your skin / Then you begin to make it better / And anytime you feel the pain, hey Jude, refrain / Don't carry the world upon your shoulders)? The world needs more advices like these.

 

Paul is not an idol just for his music, but for the entire message he sends. For all the affection that he shows. For defending humanitarian and environmental causes. For being romantic (during the show he offered the performance of the song "My Valentine" to his wife who was there - and to whom he composed it). For valuing his old bandmates, and the current ones - after all nobody plays alone. For being grateful to his fans and striving to please them - after all nobody does success without an audience. By these reasons and others he is very different from all others.

 

The world needs more people like this: who convey good feelings. Who speak of hope, of love, of friendship, of optimism. That treat others with consideration and care. That defend important causes. That are comprehensive in their speak - and in their relationships. That encourage and support other people. That treat them with respect and are grateful and humble. That are a little cuter, a little more like Paul.

 

Enough of offending and criticizing. Of lyrics that disparage other people. That defend bad behavior. Enough of self-centered and arrogant people. If you want to encourage and support, use words of encouragement and support. If you use hard and cold words in your speech, you will only hurt and cause pain. Be understanding - it doesn´t help anyone you thinking you own the truth. Be a little more like Paul - I'm sure I´ll try. For a world with more understanding, loving and cute people - for more good people; specially because "in the end, the love you take / is equal to the love you make"*. And so be it.

 

*Excerpt from the song "The End", composed by Paul McCartney and John Lennon.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Patricia Ceccato
  • Twitter Patricia Ceccato
  • Pinterest Patricia Ceccato
  • Instagram Patricia Ceccato
FOLLOW ME
SEARCH BY TAGS
FEATURED POSTS